propostas levantadas no seminário "O Trabalho e o Trabalhador do Suas"

  1. Definir os profissionais que devem compor o SUAS, a partir do estudo das tipificações dos serviços, revendo a composição das equipes apontadas na NOB/RH.
  2. Discutir as necessidades dos serviços com os profissionais e suas respectivas formações.
  3. Que o FTSUAS/SP incentive a participação dos profissionais para que enviem propostas à nova NOB/SUAS (que está em consulta pública) quanto à capacitação dos trabalhadores do SUAS.
  4. Que o Fórum se manifeste pela abertura da consulta pública da NOB-RH em complementação à consulta da NOB-SUAS para buscar garantir diversidade de profissionais para a formação das equipes, garantindo a complexidade dos serviços.
  5. Capacitação para leitura crítica da realidade social, cultural e histórica (envolvendo as formas de se fazer assistência no Brasil) em que o trabalho se faz.
  6. Capacitar para a relação com os usuários (indivíduos e comunidades) com quem se deve dialogar para estabelecer ações.
  7. Realizar controle do repasse da verba para as capacitações e dar prazo para que elas sejam realizadas, pois algumas não capacitam seus trabalhadores.
  8. Incluir plano de capacitação e seu balanço final, respectivamente, no plano de trabalho e nas prestações de contas dos projetos/ serviços/ programas conveniados ou subvencionados com recursos públicos da assistência social.
  9. Destinar mais recursos públicos para capacitação dos trabalhadores do SUAS, e que os trabalhadores de toda a rede socioassistencial sejam contemplados nessa capacitação permanente, pois os serviços ofertados aos usuários da política de assistência social são complementares à administração pública direta.
  10. Definir, por meio de pactuação, parcela dos recursos repassados para qualificação dos trabalhadores SUAS, bem como construir instrumento de monitoramento da sua realização a partir do modelo Censo CRAS/CREAS, algo como censo qualificação SUAS, como critério de habilitação SUAS.
  11. Discutir formas de implementação da gestão colegiada para fortalecê-la.
  12. Articular os representantes do segmento dos trabalhadores que fazem parte dos Conselhos Municipais e Estadual de Assistência Social para ter um conhecimento prévio das condições de trabalho.
  13. Discutir sobre a discrepância na forma de se constituir o SUAS até em um mesmo município.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário